Vacina: Majeski indica prioridade à lactante e ao responsável por pessoa com deficiência intelectual



Presidente da Frente Parlamentar de Apoio a Inclusão, a Acessibilidade e Cidadania das Pessoas com Deficiência, o deputado estadual Sergio Majeski (PSB) apresentou indicação ao Governo do Estado para que sejam incluídos no grupo prioritário da vacinação contra a Covid-19 os pais ou responsáveis por pessoas com deficiência intelectual.


“Destacamos que cotidianamente pais, mães ou tutores levam a pessoa com deficiência a consultórios, clínicas, postos de saúde e hospitais, por exemplo, aumentando a exposição ao alto risco. E a contaminação do responsável pode acarretar desamparo à pessoa”, destaca Majeski.


Outra indicação apresentada pelo parlamentar solicita que todas as lactantes, independentemente da idade do filho, também sejam incluídas no público prioritário da vacinação.


“Proteger a mãe é proteger o bebê, a criança de colo que depende totalmente da figura materna. Além disso, estudos recentes sugerem que os anticorpos da mãe vacinada são transmitidos ao filho através do leite materno”, completa Majeski.


A demanda foi apresentada ao parlamentar pelo Grupo Lactantes pela Vacina-ES, que luta pela inclusão das lactantes, independentemente da idade do filho, na prioridade da vacinação contra a Covid-19. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Pediatria, é recomendado que o aleitamento materno seja exclusivo até os seis meses de vida do bebê e continuado por pelo menos dois anos de idade ou mais, juntamente com a alimentação, por diversos benefícios, como nutrição, proteção para doenças, crescimento e desenvolvimento.


Após mãe ser vacinada, bebê nasce com anticorpos


A Secretaria de Saúde da cidade de Tubarão, em Santa Catarina, informou que um bebê nasceu com anticorpos contra a Covid-19. A mãe, uma médica que trabalha num posto de saúde do município, recebeu vacina contra a doença durante a gestação. Esse pode ser o primeiro caso registrado no Brasil.





Foto: Divulgação

1 comentário