Proposta de Majeski que estabelece plano de carreira e maior salário para professores avança na Ales



Por unanimidade, a Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa (Ales) derrubou o despacho denegatório da Mesa Diretora da Casa à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 26/2019, do deputado estadual Sergio Majeski (PSB), que estabelece um plano de carreira para o magistério que equipare a remuneração média dos profissionais da educação com curso superior da rede pública à média dos vencimentos de profissionais com graduação equivalente.


A decisão fortalece a proposta de Majeski de incluir a obrigatoriedade na Constituição do Espírito Santo, para garantir transparência na progressão dos vencimentos dos profissionais da rede pública de ensino e aumento da remuneração.


Caso a proposta de Majeski já estivesse em vigor e tomando como referência um estudo nacional do Movimento Todos pela Educação, o salário dos professores com curso superior poderia ser de aproximadamente R$ 5,1 mil.


“Nossa intenção é garantir a tão sonhada valorização e incluir a obrigatoriedade na Constituição será um avanço. O aumento da remuneração e da qualificação dos profissionais da educação é um investimento essencial, que certamente trará ótimos resultados para toda a sociedade. Essa é mais uma contribuição para fortalecer a educação pública capixaba. Os planos de educação estão vigentes há anos, mas infelizmente não são observadas movimentações nos governos federal, estadual e municipais para cumpri-los”, destaca Majeski.


A PEC 26/2019 tem como objetivo tornar permanente o que detalham as metas 17 dos Planos Nacional (PNE – 2014/2024) e Estadual de Educação (PEE – 2015/2025). O texto, de mesma redação em ambos os planos, objetiva “Valorizar os(as) profissionais do magistério das redes públicas de educação básica de forma a equiparar seu rendimento médio ao dos(as) demais profissionais com escolaridade equivalente”, até o final do ano de 2020.


De acordo com os dados disponibilizados pelo Instituto Jones dos Santos Neves, no ano de 2017, a razão entre a remuneração dos professores da educação básica e os demais profissionais com a mesma escolaridade trabalhando no Espírito Santo foi de 53,9%.


Já no Brasil, o levantamento do Movimento Todos pela Educação revela que a remuneração média dos profissionais da educação básica da rede pública em 2019 foi de R$ 3 mil, enquanto a média de rendimento dos demais profissionais com curso superior foi de R$ 5,1 mil.



Imagem: Agência Brasil

Especiais

Clipping

Deputado Sergio Majeski
Avenida Américo Buaiz, 205, Gab. 602
Enseada do Suá, Vitória | Espírito Santo | Brasil
29.050-950

Telefone: 27 3382-3582
E-mail: sergiomajeski@al.es.gov.br

Contato

© Sergio Majeski 

Todo o nosso material é livre para compartilhamento, reprodução e divulgação, desde que seja citada a fonte: sergiomajeski.com.br

Planejamento Estratégico, Site, Planejamento Digital  - Thaís Aguiar

Política de privacidade

  • whatsapp_edited
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube - Black Circle
  • Instagram